Desenlace

Tempos atrás houve um enlace. Uma jovem e um rapaz casaram-se e deste matrimônio surgiram cinco pequenos elos que uniam este “Laço”. Anos depois o Laço se desfez, porque a fita era muito macia e toda vez que o vento batia o nó folgava um pouquinho. Os elos não foram suficientes para segurar o Laço, apenas o manteve firme por mais tempo. Este é o trabalho dos frágeis elos. Eles mantêm as coisas juntas por um tempo. Se depois desse tempo a fita não estiver bem apertada, o Laço se desfaz mesmo.

Aí ocorreu mais um enlace e daí que surgiu outro Laço. Um Laço mais apertado. Desse Laço vieram mais dois elos. Acontece que isto faz parte de um ciclo. A vida toda vemos os Laços se formando. Os pequenos elos formaram outros Laços e então tudo se transformou em um grande e formoso Laçarote. E porque nós estamos acostumados a ver os Laços se formando, não estamos preparados para ver o desenlace de um elo quando é chegada a hora.

Hoje eu sonhei com um desenlace. Eu vi um elo mais velho pendurado e outro mais jovem caído ao chão, aos pedaços. Quando eu acordei tinha essa palavra repetindo na mente: desenlace. desenlace. desenlace.

Acontece que elos talvez não sejam o material mais adequado para firmar um laço de fita, mas é certo que elos estão acostumados a trabalhar juntos para manter forte uma corrente. Ou pelo menos eu acreditava que este pressuposto fosse ser verdadeiro.

No entanto, tudo o que eu vejo são elos que não se encaixam. Eles têm tanto medo de cair caso abram um pouquinho que seja para encontrar com o elo vizinho que não percebem que a estrutura da corrente está completamente desfeita. Eles são apenas elos, pendurados por um pedaço de fita.

Música + Letra

Oi!

Tô sendo um pouco piegas. Copiei o nome do filme na cara dura – inverti a ordem e coloquei um + no lugar do & pra ficar mais cool, mas dá na mesma.

É que eu queria falar um pouco de como eu gosto de cantar e de escrever. Eu já falei isso aqui? Eu adoro cantar, tenho muita paixão por isso mesmo. Às vezes eu queria que minha voz fosse um pouquinho melhor, para eu não desafinar quando chegasse naquelas notas mais difíceis, sabe? Cantar me acalma, me envolve, me embala, me acolhe.

Assim também acontece com as palavras. Eu amo escrever – o que eu penso, o que eu sinto, o que eu vejo, o que eu ouço. Eu gosto de pensar que está tudo preso ali no papel, eu gosto de organizar as coisas desse jeito.

Eu queria que houvesse um jeito de manter as duas coisas sempre vivas na minha vida, mas eu acho que é quase impossível. Digo isso porque eu – e vocês – sabemos que por muito tempo eu não escrevi nada, né? Agora que eu tô voltando, agora que eu tô deixando meus dedos voarem soltos novamente pelo teclado, traduzindo meus pensamentos e tirando tudo para ser guardada numa página da web.

Engraçado que eu tinha esquecido como isso é gostoso… Tirar os pensamentos de lá de dentro da minha caixola e depositá-los num lugar seguro. Eu sei que um dia eu vou ler e não vou saber o que exatamente eu estava sentindo, porque eu compartilho meus sentimentos aqui completamente fora de contexto, mas eu gosto de saber que meus sentimentos descontextualizados produziram algo tão legal quanto um texto.

Eu adoro descontextualizar o que eu sinto. O que a música e cantar têm a ver com isso? Simples: a música me faz pensar. Escrever guarda os meus pensamentos.

Queria escrever aquele meu livro. Queria publicá-lo. Queria que todo mundo sentisse um pouquinho do que eu sinto só através da conexão com as minhas palavras escritas num papel – ou seriam vários papéis?

Nossa, agora vou fugir do assunto, mas só pra deixar marcado: antes de ontem eu estava pensando no coletivo das coisas… Tipo, coletivo de peixe é cardume, coletivo de lobo é matilha… Coletivo de páginas é livro. hahahahaha Me chame de louca.

Enfim, acho que não tenho muito mais o que escrever. Só que era tarde, me deu vontade de escrever, eu vim aqui e escrevi. Estou feliz que eu deixei meu pensamento livre de novo. Prometo tentar fazer isso mais vezes. Por mim. Por nós. Pela nossa conexão – eu e as palvras, eu e a música, eu e a vida.

Um beijo. Um queijo. Um chamego.

Nina

 

Sumi mas voltei

Oi!

Deu vontade de passar aqui pra dar um oi!

Na verdade, deu vontade de passar aqui e dizer mais que oi, dizer tudo que aconteceu e tem acontecido que é… nada! rá! Mas mesmo assim, deu vontade de contar vários nadas aqui feito eu fazia uns anos atrás. 2, 3 anos atrás. Caraca, o tempo passa. E eu que achava que ele tinha parado pra mim… Doce ilusão.

Às vezes eu queria que o tempo parasse, mas logo passa. Muitas vezes eu gostaria que o tempo corresse. A verdade é que eu ando muito confusa. Hoje faz exatos 1 ano e 6 meses que eu vim para os EUA. Sim, 1 ano e meio que estou vivendo essa loucura (e ao mesmo tempo calmaria). É difícil explicar… A verdade é que é tudo mumito relax aqui… Acordo cedo, cuido de criança, faço meu dinheirinho e volto pra cama. È uma mistura entre ter responsabilidade e não ter responsabilidade alguma. Digo isso porque apesar de parecer que eu tenho uma vida muito ocupada no fundo no fundo eu sei que não. Eu teho uma vida muito relaxada aqui apenas cuidando de criança (mesmo que essas crianças sejam as crianças que eu mais amo no mundo). Eu tenho dormido muito, comido muito, engordado muito, estudado nada! Não sou melhor em nada depois que cheguei aqui. Quero dizer, eu sou sim melhor em alguns aspectos, em outros tenho me tornado cada vez pior, mas o que quero dizer mesmo é que não tenho aprendido nada de realmente útil para minha profissão e isso me apavora!

Me dá muito medo pensar que em seis meses essa vida boa vai acabar e o mundo real vai me chaamr e eu não vou ter nada para oferecer porque estive dormindo este tempo todo. Sim, eu estive dormindo. E dormi muito, viu. Não me orgulho, eu sei bem que não me esforcei de verdade para fazer algo melhor por mim.

Eu só não queria voltar pra casa… Eu queria construir algo diferente, algo que eu não pude construir aqui. Queria ir pro Canadá, queria fazer minha vida lá. Queria estudar, trabalhar, ser eu naquele país! Não aqui, não no Brasil, mas no Canadá! Mas talvez não seja mesmo pra ser… Talvez it isn’t meant to be. E enquanto eu escrevo essas palavras eu torço para que seja mais um dos meus enganos mas algo me diz que eu não seria tão sortuda. È, parece que em breve eu voltar pra casa. E seja o que Deus quiser… Deus sabe que eu não queria voltar pra aquela rotina…

Olha, não me leva a mal… Eu amo meu pai, amo minha mãe e meus irmãos, quero muito ter de volta a companhia das minhas avós queridas antes que seja tarde, meus amigos, minhas primas, mas… Eu me sinto muito melhor estando aqui, longe dos problemas. Sabendo apenas aquilo que é importante saber. Eu me acostumei com a saudade. Claro que ainda dói, saudade sempre dói. Mas os problemas… não fazem falta.

Além do mais, eu nunca me imaginei morando o resto da minha vida em Recife. Eu não sou de lá e disso eu tenho certeza. Então, será que seria pedir demais pedir por um milagre? Só um pequenininho?

Então se não for atrapalhar, Deus, manda um milagre aqui que eu estou precisando! Só mais essezinho (até eu precisar de outro)! Por favorzinho!

 

marinamariah.

O que é o amor

Eu tenho medo de não conhecer o amor. Talvez por isso cada pessoa que eu conheço eu traço uma linda história na minha mente para que ele seja O ele. A verdade é que após quase 4 meses, eu finalmente posso dizer que estou entendendo um pouquinho desse sentimento tão complicado.

O amor não necessariamente signifca paixão. O amor é mais do que isso. É saudade, é dor, é compreensão. O amor é algo mais importante do que ter alguém do seu lado, do que um beijo na boca, um afago. O amor não é casual. O amor é concreto e presente. O amor você conhece com o tempo, e ele só cresce! Talvez você por um momento possa esquecer que ele existe, mas quando o sente é sempre intenso! E o amor se multiplica! O amor nunca subtrai ou divide…

Hoje eu tenho tanto amor que até dói! Dói porque estou longe, e dói porque estou perto e não quero ir pra longe. Ah, esse amor danado! O amor nos prega peças… A vida nos surpreende a cada espetáculo.

Medo de voar

Eu encontrei você assim meio sem querer. E você é tão igual a mim que, às vezes, faz doer.

Dói porque eu já não consigo mais te esquecer, de um jeito que eu não estava preparada pra ver acontecer outra vez.

Nós temos tanto em comum e a vida nos fez desconhecidos por todo este tempo!!! Aí vem você me dizendo tanto sobre a sua vida, e getting to know you better machuca meu coração e me faz ter vontade de manter os meus pés firmes no chão. Perto de você e de todos os outros.

Mas a razão me diz que você pode ser mais um engano, e enganos não podem ser cometidos sempre. Então eu vou voar, voar pra longe. Voar pra onde você estará ainda mais longe de mim e, se Deus quiser, você terá sido mais um engano. Porque eu não sei se vou suportar que você seja o certo dessa vez.

Tomara que você seja mais um engano.

Queria não ter te conhecido.

Queria continuar no escuro.

Sonhos

Eles mudam. Você cresce. É normal você crescer e durante anos da sua vida sonhar com alguma coisa e acreditar que um dia vai realizar esse desejo. Mas quando o tempo passa e você amadurece, também é normal que alguns sonhos não sejam mais a sua prioridade.

O que acontece é que, por um momento, na sua fase de transição, você vai achar que está na hora de correr atrás daquilo que você sempre quis, que finalmente chegou a sua hora, mas se acontecer de seu coração titubear, não se assuste!

Não se assuste se seu maior sonho já não for mais tão grande assim. Não tenha medo se você perceber que, no fim, tudo o que você sonhou vai ficar sempre sendo apenas isso: um sonho. Apenas compreenda que você mudou, a sua vida deu voltas e agora você não se encaixa mais dentro daquele sonho.

Porque, às vezes, sonhar não nos é permitido após uma certa idade, ou um certo momento. Sonhar é pra quem tem tempo, pra quem não tem planos. E, às vezes, os sonhos devem morrer com o passado. Mesmo que isso te doa. Mesmo que te incomode.

Mas, não chore. Não se apavore. A vida vai te dar outras coisas para sonhar, e aí, quem sabe um dia você não possa ter um outro grande sonho para realizar…

Espero que a vida seja melhor para você do que ela foi pra mim.

mmariah.

Os sinais

Desde que virou o ano e 2015 chegou, alguns acontecimentos da minha vida têm passado como flashes pela minha memória. É engraçado porque são coisas que antes e via como trágicas, mas agora me parecem tão divertidas e, de repente, começam a fazer tanto sentido!

Primeiro cada um dos momentos que eu passei para o tão esperado “primeiro beijo”. Desde o começo a vida me mostrou que ele não era o cara certo, mas eu fui lá e fiz anyway. Antes eu achava ridículo, agora eu acho engraçado. E isso é a vida. Quando eu lembro que arranhei o carro ao dobrar uma rua porque estava tremendamente nervosa com a ideia de sentar a mesa de um bar com aquele homem desconhecido, e depois quando ele me surpreendeu com uma série de demonstrações de que ele não era para mim, ou quando marcamos de sair para o lugar mais absurdo do mundo, e sentamo-nos no lugar mais óbvio como se pedíssemos que todas as pessoas que eu conheço me vissem ali e, inevitavelmente, isso aconteceu… Todas essas coisas, tudo isso, me faz rir! Me faz rir de como eu fui tola, boba, inocente. Rir da minha pressa em descobrir o que eu sempre soube, que beijos sem sentimentos são atos puramente carnais e… nojentos! Então, sim, eu rio disso! Rio de tudo isso.

Então como se não fosse suficiente, a vida me dá boas lembranças de alguém que foi totalmente o oposto, e que eu não precisei beijar para sentir-me beijada, e que mesmo dando sinais de ser incrível para mim, a vida não permitiu que eu beijasse, porque como todos os outros que surgiram até agora, ele também não era o certo. Então eu sinto muito por isso, mas compreendo a vida. Só não acho justo, mas talvez eu merecesse.

Mas isso não importa agora porque eu sempre vou guardar boas lembranças e tirar grandes lições sobre como estávamos tão próximos e a vida achou um jeito de derrubar uma garrafa de cerveja e nos afastar. E hoje eu sei, eu sei o que foi aquele sentimento. Eu sei o que foi que eu senti quando aquela garrafa caiu. Eu estava conectada a alguém que estava completamente conectado a mim, e então alguém nos separou. Porque não era o certo, ou porque talvez eu não merecesse, ou talvez eu não devesse, mas tudo bem. Porque eu sei que tem algo melhor para mim por aí, e quando esse algo melhor chegar, nenhum alguém vai conseguir me impedir de estar conectada ao meu algo melhor. Essa conexão não pode ser quebrada.

mmariah.

Enjoei daqui

Cansei desse lugar, quero mudar! Quero ver gente nova, gente diferente, gente que não seja essa gente.

Não quero mais viver nesse lugar, quero ir embora e não voltar. Eu sei que dói em mim, mas eu preciso e prefiro viver essa dor agora do que continuar vivendo essa dor que me mata aos pouquinhos, que me destrói comedidamente, me fazendo sofrer mais até do que eu jamais pensei ser possível sofrer.

Eu quero realizar meus sonhos, correr atrás do meu futuro, construir muralhas, derrubar os obstáculos. Quero ter novos sonhos, novas perspectivas, traçar metas e novos objetivos. Quero conquistar o MUNDO!

Quero que tudo que é velho, antigo, que é inapropriado, inadequado, quero que tudo isso fique no passado. Num caixinha com divisórias onde seleciono e armazeno boas e más lembranças. Quero jogar a chave dessa caixinha no mato, pra que ela nunca mais seja aberta, para que eu possa construir uma nova vida, um novo eu.

Quero mudar e não quero ser travada por ninguém. Não quero mais ser subestimada. Quero ser quem eu quiser ser e esquecer que algum dia eu fui controlada por alguém que achou ter poder sobre mim.

A fuga

Sim, eu estou fugindo. Fugindo da dor, do medo, de tudo e de todos.

Estou fugindo de você que me destrói, você que me põe para baixo. Você que a cada aparição rouba meu coração e o esmaga entre seus dedos. Estou fugindo sem avisar a ninguém. Fugindo para apenas voltar quando eu estiver curada. Não sei quanto tempo vai levar até que essa cura venha, mas vou sentir sua falta.

Sinto falta dos nossos abraços, dos nossos carinhos. Sinto falta da nossa amizade, do nosso aconchego. Mas talvez essa saudade seja apenas por tudo o que você me tirou.

Porque eu sinto falta das crianças, dos seus abraços, dos seus carinhos. Sinto falta da bagunça e da sensação de plenitude que eu tinha ao lado delas. Sinto saudade de quem eu era e do meu instinto maternal quando brincava com elas. Sinto falta do amor que aqueles bracinhos me davam a cada abraço, cada beijinho.

Mas eu prometo não mais sentir sua falta. Prometo superar toda a dor que você me causou e encontrar novos bracinhos para me darem o amor que você me tirou. Prometo não sentir saudade da mentira que você foi e prometo não sentir falta de te odiar no meu íntimo ou de pensar em você e associar a espinhos. Porque hoje você é apenas mais um nome riscado no meu caderno, mais um amor que hoje eu desprezo.

Você não vale metade do amor que recebe. Mas um dia você vai descobrir isso e eu espero que até lá você ainda tenha tempo de fazer valer a pena.

Sobre o aconchego que falta

Eu sinto que foi tudo errado. Eu sinto que eu deixei que alguém especial passasse. Talvez eu devesse ter tratado as coisas de uma maneira diferente, então hoje eu estou pagando pelos meus erros e colhendo exatamente aquilo que plantei. Acontece que agora eu sinto falta da maneira como ele me tratava, sempre tão carinhoso. É verdade que umas das coisas que me magoavam era a falta de preocupação, mas eu não posso negar que em vários momentos enquanto eu chorava era ele que dizia as melhores palavras de incentivo, e como eu amava quando ele fazia isso!

Então, hoje eu me pego precisando de alguém pra repor esse carinho que me falta, e eu sinto que pode ser ele. Que ele poderia ser esse bálsamo para mim, que ele poderia suprir esse desejo, porque ao contrário daquele que me deu isso à distância, ele está mais perto do que qualquer outro. E ele é igualmente carinhoso, com algumas outras vantagens como, por exemplo, o fato de que ele é preocupado, apesar de ser igual ao outro quando penso em como nenhum dos dois fala no momento certo.

Por isso, devo admitir que, sim, eu gostaria de ficar com ele. E confesso que, não, eu não tenho a menor intenção de ficar com ele por tempo suficiente para construir um relacionamento de longo prazo, mas não é errado querer sentir e compreender o que é dar e receber carinho de alguém, é? Não querer um relacionamento com essa pessoa não significa que eu não possa dar a ele o que ele quer e ele me dar aquilo que eu preciso de modo que os dois saiam dessa situação muito bem. Não entrar de cabeça em um relacionamento duradouro não significa que um tenha que ser infiel com o outro, ou que não possa ser honesta e sincera e ir até onde os dois podem suportar.

Então, quando eu penso em estar com ele, eu penso no abraço certo. Porque eu já estive em outros braços antes, mas eu sei hoje tão bem quanto eu soube naquela época que o abraço era errado. Eu sinto que dessa vez seria diferente.

Dessa vez eu estaria dentro do abraço, dessa vez nós nos encaixaríamos; E eu sei que ele seguraria no meu rosto enquanto me beijasse; e eu sei que eu não estaria desengonçada ao lado dele, porque ele ia mexer no meu cabelo no momento certo, e me beijaria no momento certo, e se moveria da maneira correta, e eu me moveria em completa sintonia, porque nós já nos conhecemos e, eu posso estar mais uma vez completamente enganada, mas eu já confio nele, e sei que ele não me magoaria, mas que faria de cada minuto o momento mais especial da minha vida. Então eu poderia chamá-lo de primeiro e, quem sabe, talvez o último.

Mas vamos viver um dia de cada vez.

mmariah.